Conecte-se

#JUSTIÇA

Mostra de arte de rua e vídeo reforçam campanha por mulher negra no STF

Em 132 anos, Supremo nunca teve uma ministra negra - apenas três mulheres brancas; Rosa Weber se aposenta no fim do mês e movimento pressiona Lula por indicação

Redação #Colabora
#JUSTIÇA13 de set. de 234 min de leitura
Colagem das obras da Mostra ‘Juízas Negras Para Ontem’ ‘na Avenida Paulista: campanha por indicação de mulher negra para o STF. Foto: Divulgação
Redação #Colabora13 de set. de 234 min de leitura

Metade das capitais brasileiras amanheceram nesta quarta (13/09) com obras de arte de rua sobre a importância de ter uma mulher negra como ministra no Supremo Tribunal Federal. É a Mostra “Juízas Negras Para Ontem”, que convidou 24 artistas negros a produzirem cartazes que foram distribuídos pelas cidades, transformando as ruas em espaço de exposição democrático, aberto e acessível a todos. As obras também estão disponíveis no site da mostra.

Há obras expostas nas ruas de Rio, São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Salvador, São Luís, Manaus, Curitiba, Porto Velho, Maceió, Teresina, Porto Alegre e Brasília. “Ter uma mulher negra no STF é uma questão de Justiça. Ocupar esse espaço de poder é uma ação de enfrentamento de injustiças históricas e um passo na reparação. Não faz sentido que a suprema corte do Poder Judiciário não tenha representação equivalente ao que é o povo brasileiro. Desde o período colonial, o Brasil mantém a subalternização e excludência de pessoas negras”, afirma Nina Vieira, diretora de arte que fez a curadoria da mostra e integra o Manifesto Crespo, coletivo sobre identidades, gênero e práticas antirracistas.

Segundo dados do IBGE, 56% dos brasileiros se identificam como pretos e pardos e quase um terço da população é de mulheres negras (28%). “As obras que integram esta Mostra não deixam dúvidas que existe uma demanda pulsante na sociedade por mais igualdade de raça e gênero no STF”, acrescenta Nina Vieira. Nos seus 132 anos, o STF teve apenas três ministros negros e três ministras mulheres – estas, todas brancas. Nunca um presidente nomeou uma mulher negra para o STF. Essa desigualdade de raça e gênero no Supremo reproduz o que se vê no sistema judiciário brasileiro como um todo: apenas 7% dos magistrados de primeira instância e 2% na segunda instância são mulheres negras. A mostra não é uma ação isolada.

Mostra02
Obras da Mostra ‘Juízas Negras Para Ontem’ estão espalhadas pelas capitais brasileiras: campanha pede que Lula indique a primeira ministra negra do Suprema. Foto: Divulgação

Todas as obras que integram a mostra “Juízas Negras para Ontem” foram impressas e afixadas nas ruas. A gaúcha Mitti Mendonça, uma das artistas, explica seu processo criativo: “Para a concepção, parti da ideia de ocupar lugares de poder e de decisão, colocando uma mulher negra em uma posição de destaque e em contraponto com uma cadeira vazia, dialogando sobre a importância de termos representantes no STF. A paleta de cores propositalmente remete às da bandeira do Brasil, pois o conjunto estabelece ligação direta com a política, para quem passa na rua já ter essa leitura do que se trata a questão. Além disso, a balança – um dos símbolos da justiça”.

Nas últimas semanas, outras ações de movimentos sociais, celebridades e lideranças políticas também demandaram do presidente Lula essa indicação: a ministra Rosa Weber, hoje presidente do STF se aposenta no fim de setembro. Entidades da luta por direitos da população negra também lançaram a campanha “#PretaMinistra”, com o objetivo de gerar impacto e reflexão sobre a ausência de uma ministra negra no Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília.

Como parte do movimento, um vídeo está sendo espalhado pelas redes sociais e foi exibido em um telão na Times Square, famoso ponto na cidade de Nova York (EUA) no começo da semana. O vídeo, produzido pelo Instituto de Defesa da População Negra (IDPN) e pela Coalizão Negra por Direitos tem narração de Taís Araújo e as personagens são interpretadas pelas atrizes Mariana Nunes e Lua Miranda. Começa com a frase “ela tem um sonho” e, depois, a menina Lua, de seis anos, diz: “Quando eu crescer, quero ser ministra do STF”; no encerramento, a lembrança com uma provocação ao presidente: “Nunca antes na história desse país, uma menina negra conseguiu realizar esse sonho”.

#JUSTIÇA
IGUALDADE
REPRESENTATIVIDADE
STF
PRETAMINISTRA